Vale a pena fazer transferência do crédito habitação?

Vale a pena fazer transferência do crédito habitação?

Devido à disseminação do novo coronavírus, foram muitos os portugueses que viram os seus rendimentos reduzidos, obrigando-os a apertar o cinto das suas finanças pessoais. Por se tratar de um compromisso de longa duração, a transferência do crédito habitação poderá ser uma boa forma de aliviar as despesas mensais do agregado familiar.

No entanto, nem sempre esta decisão lhe compensa a longo prazo, podendo acarretar mais custos iniciais. Neste artigo apresentamos-lhe alguns aspetos a ter em conta antes de transferir o seu empréstimo da casa para outro banco.

Para que serve a transferência do crédito habitação?

Para quem tenha contratado um empréstimo para comprar casa, a transferência desse crédito para outra instituição pode trazer-lhe poupanças significativas na prestação mensal. Todavia, esta decisão deve ser bem avaliada, sob pena de a transferência lhe trazer mais encargos. Neste sentido, são vários os fatores que deve considerar antes decidir.

1-  Quais as condições do atual empréstimo?

Em primeiro lugar, deverá analisar quais são as condições do seu atual crédito à habitação, nomeadamente o montante ainda em dívida, o spread e o respetivo prazo. No caso de ter contratado o seu empréstimo há mais de uma década, certamente que poderá negociar um spread mais baixo, resultado de uma crescente competitividade entre as instituições bancárias. Compare a sua situação com a restante oferta do mercado.

2-  Avalie o seu orçamento familiar e a sua situação laboral

O processo de uma transferência de crédito à habitação assemelha-se àquele que se verifica na contratação de um novo empréstimo. Neste contexto, ser-lhe-ão solicitados documentos que comprovem a sua situação financeira e laboral sendo, posteriormente, avaliada a sua taxa de esforço. Esta diz respeito à percentagem mensal do rendimento do agregado familiar que se destina ao pagamento de créditos contraídos. Por isso, se devido à situação pandémica, o seu contexto económico-financeira deteriorou-se significativamente, é possível que a transferência do crédito habitação lhe seja recusada. Ao invés, e no caso de ter vários empréstimos em simultâneo, poderá fazer mais sentido recorrer a um crédito consolidado com hipoteca, podendo tirar partido de uma redução da sua prestação mensal conjunta até 60%.

3-  Verifique outros produtos associados ao crédito

Uma das formas de obter uma bonificação no spread do seu empréstimo é a contratação de outros produtos no mesmo banco, como cartões de crédito, seguros de vida, contas-poupança, entre outros. De repente até pode pensar que são apenas detalhes, no entanto, sem essa bonificação pode pesar verdadeiramente na mensalidade do seu empréstimo. Por outro lado, também podem ser esses produtos que lhe façam encarecer o valor da prestação mensal do seu crédito à habitação.

Neste sentido, é aconselhável que avalie o valor do seu empréstimo com e sem esta bonificação.

4-  Analise os custos de transferência

Ao transferir o seu crédito à habitação para outra instituição, ser-lhe-ão cobrados alguns custos. Um deles diz respeito à comissão de reembolso antecipado, montante a pagar à atual instituição. O valor da comissão varia entre bancos dependendo do tipo de taxa do seu crédito à habitação, sendo 0,5% para uma taxa variável e 2% para um empréstimo com taxa fixa.

Por se tratar de um novo cliente para o banco onde vai transferir o seu empréstimo, ser-lhe-á cobrada uma comissão de abertura referente à avaliação do seu crédito. Esta implica um único pagamento e o valor varia consoante a instituição bancária.

Não obstante, poderá ainda ter de pagar uma comissão de formalização, mas geralmente esta é suportada pela grande parte dos bancos. Em todo o caso, esta advém de gastos administrativos decorrentes do processo de transferência do crédito habitação.

Adicionalmente, poderão ser-lhe exigidos outros custos relacionados com a elaboração de uma nova escritura e outros impostos relativos à transferência, nomeadamente o Imposto do Selo sobre a Transação (0,8%) e o Imposto do Selo sobre o Crédito (0,6%).

Com efeito, antes de proceder à transferência do seu empréstimo à habitação pondere todos os fatores supramencionados e compare bem a sua atual situação com aquilo que é oferecido nas outras instituições financeiras.